Hollow Years

hollow_years_by_0lalaa

“Não me arrependo de nada que tenha feito, arrependo-me do que deixei por fazer” – provavelmente a suprema frase feita e uma que, quem me conhece bem, já me ouviu repetir algumas vezes.

É, tenho a tendência de não me arrepender das coisas que fiz, disse ou pelas quais passei. Todas elas são experiências que me moldaram, tal como sou hoje.

Pois.

Não diria exactamente que minto quando o digo. Diria que me arrependo, apenas, do tempo que desperdicei em algumas dessas experiências, das quais – de facto – não me arrependo, e que poderia ter utilizado para viver de outra maneira. Sem me perder de vista.

Durante – quase – 6 anos da minha vida andei em animação suspensa. “Desliguei” aquela função básica de todos os seres humanos – o egoísmo (mal ou bem, todos somos egoístas, mais que não seja o instinto/desejo de auto-preservação é a forma mais básica de egoísmo!). E vivi não em função de mim próprio, mas de terceiros. E tanto mais foi um erro ter suspendido a minha vida por outros que fui, constantemente, acusado por esses mesmos terceiros de ser egoísta e só pensar em mim!

Desliguei-me de amigos e de pessoas que, no início deste período de “sono”, significavam tudo e mais alguma coisa para mim, para ser acusado de egoísmo.

É uma espécie de arrependimento muito particular. Em que não me arrependo da experiência e, ao mesmo tempo, arrependo-me amargamente do tempo que, literalmente,  desperdicei a viver assim mas, ao mesmo tempo, não me posso arrepender – porque aprendi e nunca mais vou repetir o mesmo erro.

E, por outro lado, mesmo sendo uma experiência com um final doloroso – sim, quando tudo terminou doeu e muito, mesmo já não havendo nada ali! – quando chegou ao fim, quando acordei do “sono” auto-imposto, abri os olhos e respirei e foi, literalmente, como se me tirassem um peso enorme do peito, dos ombros e da mente.

E, assim, vivo. Diferente, sem arrependimentos. Só aquele pequeno (grande) soluço no meu percurso. A viagem continua!

Special thanks to Dream Theater.

Once the stone
You’re crawling under
Is lifted off your shoulders
Once the cloud that’s raining
Over you head disappears
The noise that you’ll hear
Is the crashing down of hollow years

Anúncios

3 opiniões sobre “Hollow Years”

  1. Eu não diria melhor. Na minha opiniao essa treta de ”há e tal só me arrependo do que não faço” é muito lindo (e verdade) mas acho que há sempre coisas das quais nso arreendemos. Se servem de aprendizagem e se nos moldam perante a vida? Sim, claro que sim, mas uma coisa não implica a outra.

    Foi tempo perdido e fez aprender muita coisa? Optimo, mas não deixa de ter sido tempo perdido!
    Tou bue dramatica hoje 🙂

    Venham os proximos!

    Liked by 1 person

  2. Pode ter parecido tempo perdido mas foi claramente algo pelo qual tinhas de passar para resolver coisas da tua alma (quem sabe energias passadas) e aprenderes (a mal vá) uma valiosa lição.
    E é para isso que servem os erros, para te impulsionar para algo melhor e para te preparar para o caminho à frente. 😉

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.